29 de Janeiro, 2020

Papa inicia ciclo de catequeses sobre as Bem-aventuranças

Francisco recomendou aos fiéis para que leiam o capítulo quinto do Evangelho de Mateus e decorar as bem-aventuranças: "É uma mensagem para toda a humanidade."

Na Audiência Geral desta quarta-feira, 29, realizada na Sala Paulo VI, o Papa Francisco anunciou um novo ciclo de catequeses, desta vez dedicado às bem-aventuranças. No Evangelho de Mateus (5, 1-11), o texto se abre com o sermão da montanha, que iluminou a vida dos fiéis e inclusive de muitos não fiéis, por conter a “carteira de identidade” dos cristãos, o seu estilo de vida seguindo o exemplo de Cristo.

Nas próximas semanas, o Pontífice comentará cada uma das bem-aventuranças, dedicando esta primeira catequese a uma explicação global das palavras de Jesus.

Uma mensagem a toda a humanidade

Antes de tudo, afirmou o Santo Padre que é importante como acontece a proclamação desta mensagem: “suas palavras são endereçadas aos discípulos, com um horizonte mais amplo que é a multidão que se reuniu às margens do lago da Galileia – multidão que representa hoje toda a humanidade. ‘É uma mensagem para toda a humanidade’”, reforçou o Santo Padre.

O Pontífice continuou mencionando que a montanha ainda evoca o Sinai, onde Deus deu a Moisés os dez mandamentos. E seguiu dizendo que Jesus começa a ensinar uma nova lei: ser pobres, mansos, misericordiosos... que vai além de meras “normas”. “Com efeito, Jesus nada impõe, mas revela o caminho da felicidade – o Seu caminho – repetindo oito vezes a palavra ‘bem-aventurados’”, relatou o Papa.

As bem-aventuranças, prosseguiu o Pontífice, se compõem de três partes. Francisco, primeiramente, disse que consta sempre a palavra “bem-aventurados”; depois, a situação em que se encontram os beatos: pobreza, aflição, injustiça, guerra, perseguição, etc.; e finalmente, disse ainda, o motivo de tal felicidade, introduzido pela palavra “porque…”. “Seria belo aprender de cor as bem-aventuranças, para ter na mente e no coração esta lei que Jesus nos dá”, exortou o Santo Padre.

O motivo da felicidade

De acordo com o Papa, os “porquês” não dizem respeito à situação atual, mas à nova condição que os Bem-aventurados receberão de Deus. De fato, o Pontífice complementou que, ao indicar tais motivos, Jesus usa frequentemente um futuro passivo: serão consolados, serão saciados, etc.

Francisco explicou ainda o significado da palavra “bem-aventurado”, que é uma pessoa que está numa condição de graça, que progride na graça de Deus e no caminho de Deus. “Paciência, pobreza, serviço aos outros, consolação: estas pessoas são felizes”, afirmou.

Em sequência, o Santo Padre reforçou que para doar-se a nós, Deus escolhe com frequência estradas impensáveis, provavelmente aquelas dos nossos limites, das nossas lágrimas, das nossas derrotas. Ele ressaltou que é a alegria pascal, da qual falam os irmãos orientais, aquela que tem os estigmas, mas está viva, atravessou a morte e fez a experiência do poder de Deus.

Ao finalizar a Audiência, o Papa deixou uma recomendação especial aos fiéis. “As bem-aventuranças levam à alegria, sempre. São o caminho para chegar à alegria. E nos fará bem hoje pegar o Evangelho de Mateus, capítulo 5, versículos 1-11 e ler as bem-aventuranças e talvez repetir isso algumas vezes durante a semana para entender este caminho belo e certo da felicidade que o Senhor nos propõe”, exortou. 


Fonte: Amex, com Vatican News