20 de Janeiro, 2020

"Somos pobres pecadores, mas não escravos", diz Papa

"Eu vi e por isso dou testemunho". O Papa Francisco refletiu o Evangelho do último domingo, 19, na Praça São Pedro, durante a oração do Angelus

Na manhã deste domingo, 19, o Papa Francisco convidou todos os presentes na Praça São Pedro, durante a oração do Angelus, a darem um testemunho de Jesus, se referenciando ao Santo Evangelho de Jesus Cristo segundo João (Jo 1,29-34), o qual evidencia o testemunho de João Batista. “Ao contrário dos outros três evangelistas, não descreve o acontecimento, mas nos propõe o testemunho de João Batista. Ele foi a primeira testemunha de Cristo. Deus o chamara e o preparara para isso”, explicou o Papa.

João Batista

O Santo Padre também afirmou que João Batista, após o batismo, não conseguiu resistir ao desejo de dar testemunho de Jesus, como diz na leitura do Evangelho: “Eu vi e por isso dou testemunho” (Jo 1,34).

Francisco ainda esclareceu a novidade trazida naquela época por Jesus à humanidade: o sacrifício. Em todas as religiões, normalmente, é o homem quem oferece algo em sacrifício para o seu Deus e, com a vinda de Jesus, isso muda, pois o papel do sacrificado se inverte. “É Deus que oferece o próprio Filho para a salvação da humanidade”, disse o Pontífice.

Imergindo-se no Evangelho, o Papa apreciou com atenção o convite que o testemunho de João Batista faz aos cristãos. “O testemunho de João Batista nos convida a recomeçar sempre no nosso caminho de fé: recomeçar de Jesus Cristo, Cordeiro cheio de misericórdia que o Pai deu para nós. Assim, então, deixar-nos sempre surpreender pela escolha de Deus de estar ao nosso lado", explicou.

Pecadores, mas não escravos

O Papa proferiu que é preciso se deter ao Evangelho, pois não se pode presumir conhecer Jesus e saber tudo sobre Ele, fazendo assim, então, como João Batista. Exemplificando através do Evangelho de João, Francisco afirmou que é necessário que o Espírito Santo possa instruir os fiéis. “Deixemo-nos instruir pelo Espírito Santo, que dentro nos diz: é Ele! É o Filho de Deus que se fez cordeiro, imolado por amor. Ele, Ele sozinho carregou, sofreu e expiou o pecado do mundo e também os meus pecados”, afirmou Francisco.

Concluindo, o Papa Francisco relembrou quem somos perante a Deus, dizendo: “Ainda somos pobres pecadores, porém não mais escravos, não, mas filhos...Filhos de Deus!”.


Fonte: Amex, com Vatican News